12
Jul 11

Famílias depositaram 45 milhões por dia em Maio

Particulares estão a resgatar outros produtos de poupança e a reinvestir em depósitos que atingiram um nível recorde acima dos 122 mil milhões

 

Os depósitos dos particulares voltaram a fixar um novo máximo histórico em Maio, reflexo da aposta dos bancos na subida da remuneração destes produtos. Mas também não restam dúvidas que grande parte dos montantes resgatados pelos aforradores de outros instrumentos de poupança, como fundos de investimento, certificados de aforro e até Planos Poupança Reforma, estão a ser canalizados para os "superdepósitos" que a banca está empenhada em promover.

De acordo com as estatísticas do Banco de Portugal, o valor depositado pelas famílias atingiu um valor mais elevado desde que há registos. O saldo dos depósitos disparou de 120.863 milhões em Abril para 122.249 milhões em Maio, ou seja, a poupança dos particulares subiu, num só mês, a um ritmo de 44,7 milhões de euros por dia. Face às necessidades de liquidez que a banca atravessa, numa altura em que o acesso aos mercados continua congelado, a estratégia de financiamento das instituições recai no aumento da remuneração dos depósitos dos clientes. Ao mesmo tempo, a banca reduz a dependência dos empréstimos do Banco Central Europeu cujo valor desceu 7% para 43,88 mil milhões de euros em Junho.

A taxa de juro média dos depósitos subiu de 3,33% em Abril para 3,54% em Maio, reflectindo também o aumento das taxas Euribor. A guerra pelos depósitos é visível neste 12º aumento consecutivo da taxa de juro média que, no mês em análise, atingiu para o valor mais elevado desde Dezembro de 2008.

Os "superdepósitos", com taxas crescentes de remuneração, estão a "roubar" a poupança dos portugueses de outros instrumentos, sobretudo do Estado. O pedido de ajuda externa e o receio de incumprimento ditaram uma fuga de quase dois mil milhões de euros dos certificados de aforro este ano. Também os fundos de investimento registam um saldo acumulado (subscrições menos resgates) negativo de 1.381 milhões de euros. 

O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros explicou, em comunicado divulgado ontem, que a estratégia dos bancos incide também na "recomposição da carteira de aplicações de particulares, em resultado de um aumento da aversão ao risco, num quadro de agravamento das tensões nos mercados financeiros". Isto significa que o aumento da captação de depósitos está a ser acompanhado pela redução na concessão de crédito. 

Em Maio, o financiamento à economia (particulares e empresas) recuou para 4,86 mil milhões, menos 61 milhões face a Abril. Ainda assim, a compra de casa e o financiamento às pequenas e médias empresas escaparam ao corte de crédito. As taxas de juro subiram em todos os destinos e segmentos, o que traduz o aumento dos spreads e das taxas Euribor, traduzindo também uma tentativa para travar a procura de crédito. 

Banca compra dívida pública Em Maio, os empréstimos ao Estado diminuíram 4%, graças ao recuo de 24% no valor total empréstimos concedidos à administração central. Mas a banca reforçou em 7% o montante de dívida pública detida. O sector investiu 1570 milhões de euros, tendo provavelmente participado nos leilões de bilhetes do tesouro realizados em Maio.

fonte:http://www.ionline.pt

publicado por adm às 22:50 | comentar | favorito
16
Jan 11

Os melhores 20 depósitos a prazo do momento

 

Lista elaborada pelo site MoneyGPS

Esta informação não dispensa a consulta das condições detalhadas junto das respectivas instituições bancárias.

publicado por adm às 15:58 | comentar | ver comentários (1) | favorito
01
Set 10

Os melhores Depósitos para quem chega de férias

Numa altura em que há especulações sobre uma nova recessão económica nos EUA e sobre o acentuar da crise no mercado europeu de crédito soberano, saiba quais as melhores soluções para aplicar o seudinheiro e continuar a dormir descansado.

Certificados de Aforro e do Tesouro

 

Os Certificados de Aforro (CA) perderam alguma da atratividade com a criação dos novos Certificados do Tesouro (CT). Quem investir em Setembro em CT pode contar com um ganho anualizado de 3,57% durante uma década, e quem optar pelos CA poderá ganhar o equivalente 1,61% por ano durante o mesmo período, já contando com os prémios de permanência e assumindo o valor atual da taxa Euribor. Caso esta aumente durante o período do investimento, a rendibilidade será maior.

Apesar de serem produtos sem risco, além das taxas de remuneração, os investidores devem ter em atenção algumas diferenças entre os dois instrumentos. Por exemplo, enquanto os CA capitalizam os juros ganhos nos períodos anteriores, nos CT, os mesmos são distribuídos anualmente. Outro fator a ter em conta é o valor mínimo exigido para investir. Nos CA bastam €100 enquanto nos CT são necessários €1000.

Depósitos promocionais

 

É bem provável que já tenha uma conta bancária, mas perante a oferta dos bancos online aos novos clientes, pode compensar abrir uma. O ActivoBank, Banco Big e Banco Best oferecem aos seus novos clientes depósitos promocionais com taxas superiores às oferecidas aos atuais clientes e também superiores às praticadas pelos bancos tradicionais. Estes depósitos têm a garantia do Fundo de Garantia de Depósitos até um valor de 100 mil euros. As taxas de juro aqui apresentadas são brutas, pelo que a estes valores há que retirar 21,5% dos juros ganhos.

 

 

Depósitos para dinheiro fresco
Depósito Prazo TANB Investimento máximo
ActivoBank DP Poupança Start 12 meses 4,00% €30 000
Banco Best DP Blue 3 meses 4,00% €50 000
Banco Big Super Depósito 5% 2 meses 5,00% €25 000

Fonte Bancos. TANB - Taxa Anual Nominal Bruta. 27 de Agosto de 2010.

 

fonte:Expresso

publicado por adm às 01:11 | comentar | favorito
17
Ago 10

Os depósitos a prazo com as melhores taxas até um ano

Abaixo de um ano, as melhores taxas são a três meses.

 

Os depósitos a prazo continuam a ser um dos produtos de poupança favoritos dos portugueses. Em Maio, o valor total aplicado neste produto ascendia a 117.248 milhões de euros, de acordo com dados do Banco de Portugal.

Mas o que continua a atrair este investimento?

Será apenas a segurança que os depósitos oferecem ou será que a rentabilidade pode ser também um factor de atracção

Na verdade, a taxa de remuneração dos depósitos a prazo já viu melhores dias. A queda prolongada das Euribor, que só agora começam a recuperar, é o principal factor a explicar essa realidade. Em média, os depósitos com prazos até um ano não rendem mais de 1,37% (dados de Junho). Mas as taxas até já começaram a subir, acompanhando a recuperação das Euribor. A maioria dos bancos subiu as taxas, ainda que apenas ligeiramente e superam a inflação. 

Invista a 3 meses ou vários anos

«Para quem quer investir a curto prazo (dois ou três anos), os depósitos são mesmo a única opção», disse o analista da Deco, Jorge Duarte, à Agência Financeira

Os bancos oferecem depósitos para todos os gostos: uns podem ser subscritos com qualquer montante, outros só a partir de 60 mil euros, uns a um mês, outros a vários anos. 

«As melhores taxas são normalmente as oferecidas nos depósitos contratados através da Internet», avisou o especialista. E confirma-se. Analisámos os depósitos oferecidos em Julho pela banca nacional para os vários prazos e descobrimos os melhores.

Se quiser aplicar o seu dinheiro a apenas um mês, as taxas mais elevadas estão no depósito a prazo (DP) do netB@nco do Santander Totta, cuja taxa anual nominal líquida (TANL) é de 1,01%, e no depósito a prazo do Big, cuja taxa é de 0,79%. O primeiro só exige 250 euros, o segundo só está disponível para quem tem 500 euros ou mais. 

Actualmente, o prazo onde as taxas oferecidas são mais interessantes é o de três meses. Vão vencer perto do final do ano, altura em que os bancos procuram reorganizar o seu balanço. Ou seja, é possível reinvestir o dinheiro numa altura em que os bancos precisam de captar mais recursos dos clientes, e oferecem melhores condições.

Para quem está disposto a investir por três meses, o Totta oferece mais uma vez a melhor taxa: o DP 5 oferece uma TANL de 3,93% (montante mínimo de 250 euros). Segue-se o Best, com o Depósito a Prazo Blue e o Depósito Novos Clientes, ambos com 3,14% (mínimo de 2.500 euros). 

A seis meses, os depósito a prazo com melhores taxas são da Caixa Galicia e do Big. Na primeira, tem o depósito a prazo Especial On (TANL de 1,96% com montante mínimo de 3 mil euros). No segundo, tem o DP TOP e o DP TOP II, que oferecem TANL de 1,73 e 1,85%, respectivamente (mínimos de 20 e 60 mil euros). 

Nos depósito a prazo a um ano, destaca-se o Banco Popular, com o Depósito Ouro Plus 12 meses (2,36%, a partir de 300 euros), o Santander Totta com o Novo Depósito (1,77% a partir de 500 euros) e o Banif com o Poupança Nova Vida (1,77%, sem montante mínimo).

fonte:Agencia Financeira

 

Leia também o artigo:Os bancos com as melhores ofertas para depósitos a prazo

publicado por adm às 15:59 | comentar | favorito