Depósitos: Portugal contraria tendência de queda

Os depósitos bancários em Portugal cresceram entre junho de 2011 e março, ao contrário do que se passou nos restantes países europeus que têm estado sob a mira dos mercados devido à crise da dívida soberana, revelou esta terça-feira o Barclays.

De acordo com o relatório dedicado ao andamento dos depósitos nos países europeus periféricos entre junho de 2011 e meados de março, os depósitos bancários em Portugal aumentaram sensivelmente 2%, enquanto na Irlanda recuaram cerca de 1%, na Itália baixaram 2% e em Espanha regrediram 3%.

Já na Grécia a situação é mais preocupante, com os montantes confiados pelos depositantes às instituições financeiras a baixarem cerca de 24 por cento nos últimos dois anos, uma situação que a equipa de analistas do Barclays liderada por Jonathan Glionna compara ao que se passou na Argentina em 2001.

Em termos agregados, o valor total dos depósitos em Portugal, Espanha, Itália e Irlanda manteve-se estável desde o final do primeiro semestre do ano passado.

Face aos resultados obtidos neste estudo, os responsáveis consideram que «não há evidências de uma tendência de quebra nos depósitos de larga escala nos países europeus periféricos, excluindo a Grécia».

Esta questão assumiu maior relevância nas últimas semanas, em virtude de se comentar, com cada vez maior insistência, a possibilidade de a Grécia deixar a zona euro, o que poderia ter um impacto sobre os depósitos bancários nos restantes países europeus que se debatem com problemas nas finanças públicas.

«Estas preocupações não são novas e as evidências não mostram uma fuga de depósitos em Espanha, Itália, Irlanda e Portugal», concluem os especialistas do Barclays.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/f

publicado por adm às 23:52 | comentar | favorito