PPR do Estado acumula oito meses de perdas

O investimento em dívida continua a penalizar a performance dos Certificados de Reforma.

Os Certificados de Reforma foram criados com o objectivo de permitir aos portugueses a constituição de um complemento às suas pensões. Contudo, nos últimos meses, esta aplicação não tem surpreendido pela positiva. Segundo o folheto informativo de Setembro, divulgado pelo Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social (IGFCSS), nos últimos 12 meses (até 10 de Outubro), o PPR do Estado registou uma rentabilidade negativa de 3,50%.

Trata-se do oitavo mês consecutivo em que este produto de poupança vocacionado para a reforma apresenta rentabilidades a 12 meses negativas, não conseguindo escapar ao turbilhão que a afecta os mercados da dívida e accionista. Ainda assim, no último mês, as perdas foram aligeiradas face ao mês anterior graças à performance positiva das acções. Este foi, aliás, o único tipo de investimento a contribuir com um desempenho a 12 meses positivo. A aposta do fundo no mercado accionista valorizou 1,36%, interrompendo assim dois meses consecutivos de perdas para esse activo. Em Setembro, o investimento em acções tinha apresentado um retorno a 12 meses negativo em 3,84%.

No que respeita à aposta em dívida, continua a somar perdas. Nos últimos 12 meses, o investimento em dívida pública portuguesa desvalorizou 11,1%, enquanto que a dívida de outros países da OCDE apresenta uma rentabilidade negativa de 1,51%. Para este último caso, trata-se do pior desempenho desde a criação dos Certificados de Reforma.

Alterações na carteira

O PPR do Estado gere actualmente, pouco mais de 19,1 milhões de euros em activos. Em termos de distribuição por tipo de activos, a posição em dívida pública portuguesa e dívida de outros países da OCDE sofreu um ligeiro reforço para 26,07% e 51,75%, respectivamente. O mesmo aconteceu em relação ao investimento em acções que subiu para 16,26%. Já a liquidez baixou para 5,92% da carteira.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

 

publicado por adm às 21:29 | comentar | favorito