Como encontrar juros grandes para poupanças pequenas?

Aforradores com menos de mil euros podem beneficiar de taxas de juro nos depósitos acima dos 5%.

Tostão a tostão se constrói um milhão. Por isso mesmo, as pequenas poupanças, por mais modestas que sejam, merecem ser tão bem tratadas como as grandes fortunas. O princípio adquire maior relevância especialmente tendo em conta o actual contexto económico. E é possível encontrar no mercado soluções financeiras para fazer o seu dinheiro crescer, ainda que estejamos a falar de montantes reduzidos. O Diário Económico foi à procura dos melhores depósitos a prazo para quem tem um ‘pé-de-meia' de valor igual ou inferior a mil euros. Os números reunidos pelo site da Proteste Poupança mostram, por exemplo, que é possível encontrar depósitos com taxas de juro brutas que chegam a superar os 5% para estes montantes.

Para depósitos com um prazo de seis meses o BiG tem um produto que remunera a uma TANB de 5,5%, bastando o investidor apresentar um montante mínimo de 500 euros. O segundo melhor produto para este prazo pertence ao Banco Popular, com o DP Ouro Crescente, com uma TANB de 4,5%, mas esta taxa é exclusiva para novos clientes.

Para quem queira investir num prazo mais longo, as taxas continuam a ser atractivas. O melhor depósito para este prazo pertence ao Popular, com o Ouro Plus 12 meses, que exige apenas 300 euros de investimento inicial e remunera a uma TANB de 4,5%. Contas feitas, em termos líquidos, mil euros irão render-lhe 35,3 euros, mas também só para novos clientes.

É certo que quem tem grandes montantes para investir beneficia de taxas de juros mais atractivas, mas o facto de os bancos estarem a sentir fortes constrangimentos de liquidez e uma pressão para diminuírem os seus rácios transformação está a levar as instituições financeiras a aumentarem consideravelmente os juros praticados em todos os depósitos, mesmo nos de pequena dimensão. Os números do Banco de Portugal comprovam-no. Em Agosto, a taxa média praticada pelos bancos para os novos depósitos a particulares atingiu os 3,87% - o dobro do registado há um ano. Perante estes dados, Duarte Leite de Castro, da IGMarkets refere: "Para quem não aspira a rentabilidades muito elevadas e não quer de todo correr riscos existem neste momento alternativas muito atractivas em termos de depósitos a prazo que podem atingir a 6% (TANB)".

Mas não tem de olhar apenas para os depósitos. Existem no mercado outras soluções que podem ser adequadas para pequenos montantes. O BES, por exemplo, comercializa a Conta Poupança Dez, que não exige um montante mínimo de investimento, mas prevê que sejam efectuadas poupanças mensais no valor mínimo de 10 euros. Pode ser constituída em prazos que variam entre os 12 meses até aos 10 anos. Tem uma taxa anual bruta de 3%, à qual acresce uma bonificação anual de 0,25% em caso de cumprimento do plano de entregas.

No entanto, se não quer ficar amarrado a estes produtos de poupança tradicionais, há outras soluções. A pedido do Diário Económico, Duarte Caldas sugeriu outra forma de gerir montantes pequenos até 5.000 euros. "Obviamente que quanto maior for o montante a aplicar (...) maior será o retorno absoluto. Mas uma pequena poupança até 5.000 euros não é necessariamente muito limitativa", assegura o responsável. E adianta: "Hoje em dia com a oferta ampla de produtos alavancados presente no mercado (CFD's, ETF's...) o investidor tem mais alternativas para diversificar a carteira". No entanto, estes são produtos com risco de perda de capital.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:24 | comentar | favorito