Taxas de juro mais atractivas levam famílias a aumentarem depósitos

As famílias têm nos bancos mais de 124,5 mil milhões de euros em depósitos, um valor recorde que tem vindo a crescer fomentado pelo aumento dos juros pagos pela banca.

 

As famílias depositaram 8,8 mil milhões de euros, em Junho. Este é o mês em que os novos depósitos crescem menos desde Dezembro de 2010, mas coloca o saldos das poupanças no nível mais elevado de sempre, de acordo com os dados preliminares do Banco de Portugal.

A contribuir para esta evolução estão essencialmente dois factores. O primeiro prende-se com a subida das remunerações dos depósitos. Os bancos têm aumentado as taxas de juro de forma a atrair mais poupanças das famílias, uma vez que o financiamento através dos mercados está praticamente congelado. 

A taxa de juro média paga pelos depósitos das famílias, até um ano, aumentou para 3,50%, o que corresponde à remuneração mais elevada desde Dezembro de 2008, altura em que os juros estavam a descer para incorporar os cortes das taxas Euribor, provocadas pelos cortes realizados peloBCE na taxa directora, depois da falência do Lehman Brothers ter provocado uma crise financeira mundial. 

O segundo factor é a própria crise económica que se vive em Portugal. Em alturas de crise e de incerteza, as famílias tendem a poupar mais, de forma a conseguirem precaver-se de algum problema futuro, como a situação de desemprego.

Entre as empresas, registou-se 10,47 mil milhões de euros em novas operações de depósitos. Os saldos dos depósitos das empresas continua ainda assim a diminuir, tendo recuado para 31,2 mil milhões de euros, no mês em análise.

As taxas de juro que os bancos estão a pagar por estas poupanças também tem aumentado, atingindo os 3,81%, em Junho, o que representa o nível mais elevado desde Novembro de 2008.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/

publicado por adm às 23:29 | comentar | favorito