Quantos anos tem de esperar para que o seu dinheiro duplique?

Basta recorrer a uma fórmula simples para verificar o ritmo de valorização das suas poupanças.

Na mitologia, o Rei Midas tinha o poder de transformar em ouro todos os objectos em que tocava. No mundo real são poucos aqueles que se podem congratular em ter um poder semelhante ao do rei da Frígia e conseguirem multiplicar a sua riqueza. Warren Buffett é um dos poucos que conseguiu atingir tal feito e multiplicar o seu património. Mas não precisa de ser um mega-investidor para conseguir multiplicar dinheiro. Mesmo com um pé-de-meia modesto é possível colocar o seu dinheiro a crescer. Ele crescerá mais ou menos consoante a sua estratégia de investimento.

O Diário Económico fez algumas simulações para perceber quantos anos um pequeno investidor com 25 mil euros terá de aguardar para ver a sua poupança duplicar de valor. As simulações mostram que dobrar o valor do investimento poderá demorar entre nove a 40 anos consoante os produtos financeiros escolhidos. Por exemplo, se for um investidor muito conservador e privilegiar a aplicação dos 25 mil euros em produtos de capital garantido (como os depósitos ou certificados de aforro) e estiver sujeito uma taxa de juro anual de 2,5%, então terá de aguardar 28,8 anos para ver o seu pé-de-meia duplicar de valor, ou seja, superar a barreira dos 50 mil euros.

Contas feitas, só em 2040 é que se atingiria esta meta. No entanto, nem todos os investidores teriam de aguardar tanto tempo. Por exemplo, um investidor que estivesse disposto a correr uma dose de risco mais elevada, tivesse uma carteira equilibrada entre acções, obrigações e produtos conservadores e obtivesse uma rendibilidade média anual de 5,7%, então teria de esperar 12,6 anos para ver os 25 mil euros duplicarem de valor (ver tabelas ao lado). O tempo encurtaria ainda mais caso o investidor não tivesse medo e apostasse numa estratégia agressiva investindo maioritariamente em acções- a classe de activos que historicamente apresenta uma remuneração média anual mais elevada. Assim, este investidor demoraria apenas nove anos para duplicar o seu pé-de-meia.


Os cálculos para apurar o número de anos necessários para fazer dobrar o valor das poupanças são fáceis de fazer. Basta utilizar a "regra do 72", descoberta por Albert Einstein. O cientista chegou mesmo a apelidar esta regra como a oitava maravilha do mundo. Segundo este principio matemático bastará dividir o número 72 pela rendibilidade anual esperada (em valor absoluto) da sua carteira de investimentos. O resultado dessa operação dar-lhe-á o número de anos que o seu pé-de-meia demorará, aproximadamente, a duplicar de valor, tendo como pressuposto que há lugar para a capitalização de juros.

Obviamente que quanto menor for a rendibilidade esperada mais tempo terá de esperar para ver o seu dinheiro crescer. Por isso mesmo os especialistas em gestão de activos recomendam alguma exposição a activos mais arriscados aos investidores que tenham uma perspectiva de longo prazo. Porque o conceito de risco está ligado à ideia de retorno. Quanto maior for o risco de uma aplicação maior será o potencial de retorno desse investimento. No entanto, é preciso ressalvar que nem todos os investidores estarão preparados para aceitarem aplicar as suas poupanças em produtos financeiros que não tenham garantia de capital. Para esses aforradores, fazer crescer dinheiro é pois uma tarefa mais difícil. Por exemplo, se um aforrador com 40 anos colocasse 10 mil euros num depósito a prazo que ofereça um juro bruto anual de 1,8% (a média praticada pelos depósitos a um ano, segundo dados da Proteste Poupança) demoraria mais 40 anos até conseguir duplicar a sua poupança. Ou seja, apenas quando chegasse até aos 80 anos teria visto o pé-de-meia atingir os 20 mil euros.

Os números mostram que quanto mais cedo uma pessoa começar a investir, maior será a probabilidade de duplicar por várias vezes o valor das suas poupanças. Mas para conseguir atingir este objectivo terá de encontrar as aplicações financeiras mais atractivas. Porque aplicar num produto financeiro que lhe oferece em média 2% ao ano ou num produto que lhe dá 4% ao ano pode resultar numa diferença de alguns milhares de euros ao fim de um longo período.

fonte:http://economico.sapo.pt/

 

publicado por adm às 23:27 | comentar | favorito