Deco alerta para fraco rendimento das contas poupança para mais novos

A Deco analisou as contas de poupança para os mais novos oferecidos por 13 bancos e concluiu que as remunerações são "muito fracas", entre 0,3% e 3%.

As conclusões desta análise são publicadas na próxima edição da Proteste Poupança, uma das publicações da Associação para a Defesa dos Direitos dos Consumidores (Deco).

Para os mais jovens, as ofertas das instituições bancárias vão desde contas à ordem, contas de poupança, seguros de capitalização e planos mutualistas, mas os técnicos da associação limitaram-se às contas de poupança.

O Banco Espírito Santo, o Banco Popular e o Montepio são alguns dos bancos que oferecem brindes como forma de sensibilizar e educar as gerações mais novas para a necessidade de poupa, mas a Deco alerta para o facto de que "não basta ensinar. É necessário que os incentivos à poupança superem a subida dos preços".

A associação lembra que a inflação prevista pela OCDE para este ano é de 3,3%, mais 0,3% do que a taxa do melhor depósito para jovens e mais 1,9% do que a média dos produtos analisados para este segmento.

Segundo a Proteste Poupança, a remuneração proposta é "muito fraca" e o prazo das aplicações "desadequado", sobretudo tendo em conta que o horizonte de investimento é bastante alargado na maioria dos casos: "Com estes rendimentos de pouco serve amealhar ao longo dos anos, pois a inflação devora o valor do dinheiro", alerta a Deco.

A associação lembra que a poupança para os mais novos deve ser feita numa perspectiva de longo prazo: "Se juntou algum dinheiro, por exemplo, dos aniversários e das épocas festivas, que queira ver rentabilizado, esqueça as contas 'especiais' para jovens. De 'especial' têm muito pouco", lê-se na publicação.

Em alternativa, a associação recomenda o investimento em certificados do tesouro para quem pretende capital garantido, lembrando que rendem 5,6% ao ano se o dinheiro for aplicado por um período de 10 anos, e 5,3% entre os cinco e os nove anos.

"Caso não tenha ainda os mil euros necessários para investir, prefira um depósito a prazo normal. Com a necessidade crescente de financiamento por parte dos bancos, vários garantem 3,5% líquidos ao ano", recomenda.

Para montantes superiores, a Deco recomenda, a quem estiver disposto a arriscar, a compra de fundos de investimento de acções e obrigações, desde que o investimento seja mantido por um mínimo de cinco anos, uma vez que o potencial de rendimento é bastante superior ao das aplicações sem risco.

fonte:http://economico.sapo.pt/

 

publicado por adm às 23:24 | comentar | favorito