20
Jan 13

Os 10 melhores depósitos a prazo

Os depósitos a prazo a 12 meses estão a pagar menos do que ofereciam há um ano. Mesmo assim saiba quanto pagam, em termos de taxa líquida (já contabilizando a taxa de renteção na fonte de 28%, que entrou em vigor em janeiro deste ano). Segundo os dados da Proteste Investe, da Deco, o depósito mais rentável oferece um juro líquido abaixo de 4%.

1) Privatbank 

O depósito "E-Pé de Meia" do Privatbank, a sucursal em Portugal de um banco da Letónia, apresenta o depósito mais rentável, com uma taxa anual nominal líquida (TANL) de 3,9%, considerando a taxa de imposto de 28%, em vigor a partir de 2013, segundo os dados do site da Deco, Proteste Investe.

2) Finantia

O depósito a 12 meses do Banco Finantia é exclusivo para os novos clientes ou os novos capitais e oferece uma taxa líquida de 3,2%. O montante mínimo #de investimento é de 50 mil euros.

3) Banco Invest

› O "Invest Novo Depósito" oferece #3,2% para novos clientes ou capitais #que invistam um mínimo de de 2000 euros.

4) Activobank

O depósito "Poupança Start" desta instituição do grupo BCP paga 2,7% para novos clientes ou capitais para investimentos a partir de 3000 euros.

5) Banco Big

O "Depósito Renda Mensal" do Banco Big tem uma taxa líquida de 2,5% para montantes a partir de 10 mil euros.

6) BBVA

A partir de 1000 euros, o BBVA oferece uma taxa líquida de 2,5% a novos clientes e capitais que invistam no "Depósito Super 3,5"

7) Banif

O depósito "Rendimento Maxi" paga 2,5% líquidos a quem invista pelo menos 5000 euros neste depósito a prazo a um ano da instituição madeirense.

8) Banco Popular

O "Net Prazo" do Banco Popular oferece 2,5% de juro líquido para investimentos que comecem nos 500 euros.

9) Nova Galícia

O "DP Alta Remuneração" do banco espanhol paga 2,5% líquidos a novos clientes e/ ou novos capitais que invistam pelo menos um mínimo de 3000 euros neste depósito.

10) Montepio

O "Depósito Aniversário" oferece uma taxa de juro líquida de 2,5% para clientes da instituição financeira que invistam, no mínimo, 500 euros neste depósito a prazo.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/Me

publicado por adm às 13:36 | comentar | favorito
20
Jan 13

Mais oito mil milhões de euros em depósitos desde a crise

A crise, a instabilidade nos mercados e a ameaça de mais cortes no rendimento das famílias levaram os portugueses a refugiarem-se nos depósitos a prazo. Desde maio de 2011, quando Portugal pediu ajuda à troika, as famílias colocaram cerca de oito mil milhões de euros em depósitos. Apesar das taxas serem cada vez mais baixas.

Segundo os dados do Banco de Portugal, em maio de 2011, o saldo de depósitos a prazo de particulares era de 122,2 mil milhões de euros. Já em novembro do ano passado o montante ascendia a 130,2 mil milhões de euros, uma subida de 7%.

Com o fecho dos mercados a Portugal e o aumento das dificuldades de financiamento, os bancos apostaram na captação de depósitos para garantir o financiamento. Além disso, a necessidade de cumprirem a meta estipulada para o rácio de transformação de crédito em depósitos (120% até 2014) contribuiu também para a necessidade de a banca captar mais depósitos, levando as instituições a oferecerem taxas de juro mais atrativas para as novas operações.

Mas durou pouco. Para travar a subida galopante das taxas de juro, que poderia colocar em causa a solvabilidade das instituições, o Banco de Portugal limitou a subida. O regulador definiu que os bancos que oferecessem uma taxa de juro superior em 300 pontos base à taxa de mercado seriam penalizados no seu rácio de capital de base (core tier 1).

A medida levou a uma inversão da tendência e ditou a queda dos juros oferecidos pela banca nas novas operações de depósitos. Os dados do Banco de Portugal mostram que, num ano, o ganho num depósito de 5000 euros caiu 30%, em resultado da descida da taxa. Enquanto em novembro de 2011, o juro oferecido pela banca era, em média, de 3,64%. Um ano depois a taxa bruta média rondava os 2,49%. Se a esta descida for ainda contabilizado o aumento da retenção na fonte em sede de IRS a rendibilidade dos depósitos a prazo é ainda inferior.

"A descida das taxas de referência de curto prazo, como a Euribor, as restrições impostas pelo Banco de Portugal" e, por último, "os sucessivos agravamentos da taxa de imposto que, entre o final de 2011 e início de 2013, passou de 21,5% para 28%" terão contribuído para a queda do retorno oferecido pelos depósitos, referem os analistas da revista da Deco, Proteste Investe, numa análise feita no início do ano.

Os especialistas da associação de defesa de consumidores adiantam ainda que, no início do ano, os bancos apresentaram novos preçários com taxas ainda mais baixas. Um depósito de 5 mil euros a um ano rende agora entre 0,07 e 3,9%. A média situa-se em 1,5%. No entanto, alertam para o facto de nem sempre os depósitos garantirem ganhos reais. "Uma das regras fundamentais é garantir que as suas aplicações superam a taxa de inflação, caso contrário estará a perder poder de compra. Para 2013, o Banco de Portugal prevê uma inflação de 0,9%. Assim, não aceite depósitos com uma taxa bruta inferior a 1,3%", acrescentam os especialistas na nota de análise.

Atualmente, de acordo com a Deco, a melhor taxa oferecida, já com a retenção na fonte, é no Privatbank.

fonte;http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 13:35 | comentar | favorito
08
Jan 13

TAXAS DOS DEPÓSITOS A PRAZO EM 2013

Em início do ano, os bancos apresentam novos preçários com taxas ainda mais baixas. Um depósito de 5 mil euros a um ano rende entre 0,07 e 3,9%. A média situa-se em 1,5%.

Depósitos até um ano rendem até 3,9%

Já lá vão os tempos em que os depósitos proporcionavam juros de 5% ou 6% e que a banca on-line reinava como forma de captar clientes. Hoje o cenário é muito diferente, mas ainda há depósitos a render 6% brutos (o E-Depósito a longo prazo no Privatbank para cinco anos sem mobilização antecipada). Para o prazo de um ano, no máximo consegue 3,9% líquido, também no Privatbank. Note que este banco não está ao abrigo do Fundo de Garantia dos Depósitos nacional, mas do mecanismo de garantia da Letónia e, se alguma coisa correr mal, terá que contactar o Banco da Letónia.

Se é dos que prefere ficar por casa, ou seja, pelos bancos sobre a alçada do Banco de Portugal, então a melhor taxa de juro é proporcionada pelo Banco Popular (DP Ordenado), mas para um máximo de 5000 euros e com domiciliação de ordenado. Aceda ao nosso comparador com as taxas praticadas em todos os bancos.

 

Certificados voltam a ser alternativa

Com as alterações em vigor desde setembro de 2012, os Certificados de Aforro passaram a estar mais competitivos e a concorrer com os depósitos, pois o rendimento foi substancialmente melhorado. A série C, a que está em subscrição, rende 2,3% líquidos a quem renovar ou subscrever durante o mês de janeiro. Quem tem a série B, o rendimento é idêntico. Ainda assim, existem alguns depósitos com rendimento superior mas, a maioria deles, destinam-se a novos clientes, novos recursos ou montantes muito elevados.

 

Taxa de imposto é a única a subir

Em 2013 as previsões são, pelo menos para os próximos meses, ainda de descida das taxas de juros. A única taxa que subiu foi mesmo a taxa de imposto sobre o rendimento dos mesmos que, em cerca de um ano, passou de 21,5 para 28%. Assim, o rendimento dos depósitos é cada vez menor. Por um lado devido à descida das taxas de juro e, por outro, pelo aumento da parte dos juros retida pelos impostos.

fonte:http://www.deco.proteste.pt/i

publicado por adm às 22:24 | comentar | favorito

Taxa dos depósitos recua para mínimo de mais de dois anos

Rendibilidade das aplicações comercializadas pela banca continua a descer. Em Novembro, a taxa média nos depósitos até um ano recuou para 2,44%, fixando um mínimo desde Outubro de 2010.

Após dois meses inalterada, a taxa oferecida pelos bancos nos depósitos para as famílias voltou a ceder, de acordo com os dados do Banco de Portugal. Caiu de 2,6% em Outubro para apenas 2,44% no mês de Novembro.

 

O juro médio encolheu mais de dois pontos percentuais face ao último máximo de 4,57%, fixado em Outubro de 2011, altura em que se deu início à tendência de queda das taxas praticadas pelos bancos nos depósitos a prazo.

 

Foi em Novembro do ano passado que entrou em vigor a “limitação” de juros definida pelo Banco de Portugal, no sentido de travar a “guerra nos depósitos”. Esta é uma das explicações para a tendência de queda das taxas nestas aplicações.

 

A contribuir para a descida da rendibilidade destas aplicações está também o facto de, desde então, as taxas de mercado (as Euribor) terem afundado para mínimos históricos, seguindo os cortes de juros realizados pelo BCE.

 

Além disso, a descida acentuada dos juros oferecidos pelos bancos nos depósitos reflecte também a menor necessidade de recursos do sector. Algumas instituições cumprem já com a exigência de um rácio de 120% entre depósitos e crédito.

 

A queda da taxa praticada pelos bancos nacionais nos depósitos acompanha a tendência registada na Zona Euro. O juro médio oferecido nestas aplicações recuou de 2,74% para 2,73% em Novembro, segundo o BCE. Está acima dos juros oferecidos em Portugal.

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/m

publicado por adm às 20:41 | comentar | favorito
08
Jan 13

Depósitos de particulares aumentam em dezembro

Os depósitos dos particulares nos bancos residentes em Portugal aumentaram 372 milhões de euros em dezembro, invertendo assim uma tendência de queda que chegou a acumular três meses consecutivos de reduções.


De acordo com os dados esta terça-feira divulgados pelo Banco de Portugal, os depósitos dos particulares aumentaram para 130.158 milhões de euros no final de dezembro do ano que terminou, contra 129.786 milhões de euros que se registavam no final de novembro.

Os depósitos dos particulares vinham a cair desde agosto, altura em que se registou uma queda de mais de mil milhões de euros (1.078) no valor depositado pelos particulares na banca nacional.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt


publicado por adm às 19:31 | comentar | favorito
05
Jan 13
05
Jan 13

Os melhores depósitos a prazo de Janeiro de 2013

O ano começou e tal como era previsivel os bancos reviram as taxas dos juros dos depósitos a prazo em baixo e tal como já vem sido habitual, as melhores taxas são praticadas pelos bancos com as ofertas online.

Aqui fica algumas das melhores propostas para depósitos a prazo :

 

TANB - Taxa anual nominal Bruta

 

 

3 Meses:

BEST DP já (4,75%)

BIG Super Deposito (4,50%)

Banco Finantia (3,50%)

 

 

6 Meses:

Privatbank "Pé de meia"(5,150%)

Banco Finantia (4,00%)

BIG Super Deposito (4,00%)

Banco BIC DP Nova Op. (4,00%)

 

12 Meses:

Privatbank "Pé de meia"(5,250%)

Banco Popular DP Ordenado (5,00%)

Banco Finantia (4,50%)

Banco Invest Novos  DP  (4,00%)

 

Fonte: Sites dos bancos em 5/01/2013

publicado por adm às 19:17 | comentar | favorito