Fundos dão juros até nove por cento

Todos os euros poupadinhos devem estar a render e não numa conta à ordem." O conselho é do analista financeiro da Deco, para assinalar hoje o Dia Mundial da Poupança, que salienta haver agora "um esforço acrescido de poupança e menos consumo devido às medidas de austeridade".

Os depósitos a prazo continuam a ser uma das opções mais seguras mas, face à inflação, os fundos de obrigações ou mistos, com risco limitado, estão a tornar-se cada vez mais atractivos para os portugueses.

Para Jorge Duarte, da Deco, "se antigamente era preciso uma fortuna para investir, hoje com 500 euros pode-se aplicar o dinheiro em bons fundos". Por exemplo, esses fundos dedicados a obrigações suecas tiveram um ganho líquido de 8,8 por cento no ano passado. Para quem estiver disposto a correr um maior risco, o investimento directo em acções pode dar bons resultados

Os depósitos a prazo são das opções menos arriscadas para investir o dinheiro, e há bancos a oferecerem uma taxa anual nominal líquida (TANL) de 4,09% para depósitos a um ano.

O especialista da Deco alerta, contudo, para a necessidade de se ter paciência no retorno do investimento: "Para o dia seguinte, só o Euromilhões." Para Jorge Duarte, quem ganhe dois mil euros por mês e queira investir até cinco mil euros "deve fazer um depósito a prazo, para servir de pé-de-meia a que pode recorrer".

GRANDE QUEBRA DO RENDIMENTO DISPONÍVEL 

Os portugueses têm cada vez menos dinheiro disponível no fim do mês. Segundo os dados do Banco de Portugal, em 2012 a quebra do rendimento disponível foi de seis pontos percentuais face a 2011. A pressionar o orçamento familiar estiveram "as medidas de consolidação orçamental", particularmente "a nível da carga fiscal", refere o supervisor. A perspectiva do Banco de Portugal, antes do novo Orçamento do Estado, era de uma melhoria em 2013.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/


publicado por adm às 20:34 | comentar | favorito