Emigre o seu dinheiro depositado no banco

As soluções desenhadas para residentes no estrangeiro não convencem. Se quer que o seu dinheiro fique em Portugal, os certificados são um destino mais interessante.

São cada vez mais os bancos que promovem as contas para emigrantes ou para residentes no exterior. Basta passar por algumas agências bancárias ou pelos portais na Internet dos principais bancos para perceber o forte interesse da banca em captar os rendimentos obtidos no estrangeiro. Algumas instituições financeiras criaram inclusivamente serviços exclusivos para que os clientes no exterior canalizem as poupanças para Portugal.


O grande interesse da banca não se reflete, porém, em rendimentos superiores para os emigrantes. Depois de pesquisarem junto das 22 instituições bancárias a operar no mercado nacional, os nossos analistas avaliaram as propostas de 6 bancos.


Conclusão: as soluções são muito pouco interessantes. As taxas anuais líquidas dos depósitos para residentes no estrangeiro giram entre 0,5% e 1,7% para prazos de cerca de 12 meses, o que fica muito longe das melhores taxas de juro dos depósitos não reservados a emigrantes.


Banif paga mais
Banif é o banco mais generoso na oferta exclusiva para residentes no estrangeiro. O seu Depósito RE 6+6, uma conta para o prazo de 1 ano e com pagamento de juros semestral por crédito na conta à ordem, tem um bónus de permanência semestral que se traduz numa taxa crescente. Sendo o pagamento de juros semestral, pode mobilizar a conta no final do primeiro semestre sem qualquer penalização. O mínimo de constituição é de 1000 unidades monetárias, podendo ser constituído em quatro divisas: euros, dólares norte-americanos, dólares canadianos e libra esterlina. As taxas de juro dependem da moeda e do montante aplicado. Por exemplo, se constituir o depósito em euros, as taxas anuais líquidas variam entre 1,5% a 1,7%. Podem atingir 2,6% se abrir a conta em dólares canadianos e aplicar mais de 100 mil euros.


A seguir ao Banif vem o Depósito Especial Emigrante proposto pelo Montepio. A taxa anual líquida de 1,4% é recebida no final dos 18 meses da duração do depósito. Esta conta, que está disponível até ao final do ano, tem um montante mínimo de constituição de 1000 euros, com múltiplos de 50 euros.


Más escolhas
Embora tenha o segundo depósito mais generoso, o Montepio tem também a aplicação menos interessante. A Poupança Montepio Emigrante conta com prazos entre 1 e 12 meses, mas nunca paga uma taxa anual líquida superior a 0,5%.


Embora pague uma taxa de juro superior, o Depósito Emigrante M/L Prazo Taxa Fixa é ainda menos interessante. O Crédito Agrícola paga uma taxa anual líquida de 0,9%, 1% ou 1,3% numa aplicação a 3, 5 ou 8 anos, respetivamente. Os juros são muito baixos para um período muito alargado. No prazo de 5 anos, os aforradores ganham pelo menos 3 vezes mais optando pelos Certificados do Tesouro Poupança Mais.


Vá aos Correios
Além de ser fácil descobrir depósitos mais generosos dos que os desenhados exclusivamente para os emigrantes e para os residentes no estrangeiro, as poupanças também podem ser dirigidas para outras aplicações de capital garantido, como os Certificados de Aforro ou os Certificados do Tesouro Poupança Mais.


Se reside fora de Portugal e quer conduzir as suas poupanças para cá, opte por um dos melhores depósitos tradicionais ou Certificados de Aforro para aplicações até 2 anos. Estes títulos de dívida pública, que podem ser adquiridos nos Correios ou na Internet em aforronet.igcp.pt, rendem uma taxa anual líquida de 2,3% no prazo de 2 anos. Não é possível a mobilização durante o primeiro trimestre após a subscrição. Os juros são adicionados trimestralmente ao capital.


Se pode amealhar o seu dinheiro entre 3 e 5 anos, prefira os Certificados do Tesouro Poupança Mais, que podem ser adquiridos nos mesmos locais. Se deixá-los chegar ao vencimento, receberá uma taxa anual líquida de 3%, no mínimo. Todavia, os nossos analistas acreditam que o rendimento anual será de 3,4%. 

 

 

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 00:30 | comentar | favorito