Depósitos rendem cada vez menos

Os depósitos a prazo são o produto de poupança por excelência dos portugueses. Contudo, nos últimos anos, fruto da queda das taxas de mercado para mínimos históricos, viram a sua remuneração diminuir de forma expressiva. E agora, as novas aplicações rendem pouco mais do que zero. Contudo, são um produto sem risco, uma vez que o capital investido está garantido. 

As novas aplicações em depósitos conseguiram uma taxa média de 0,24%, em Agosto, de acordo com os dados mais recentes do BCE. Esta é mesmo a taxa de juro mais baixa desde que estes dados começaram a ser recolhidos em 2000. Nos últimos anos, a remuneração dos depósitos diminuiu significativamente, depois de ter chegado a atingir um recorde de 4,66%, em Outubro de 2008. 

Ou seja, há muito que os depósitos deixaram de ser atractivos. De acordo com a informação disponibilizada pela Deco, para o prazo de 12 meses e um investimento mínimo de mil euros, apenas o Depósito BNI Europa, do Banco BNI Europa , rende mais do que 1%. Apresenta uma taxa anual nominal bruta (TANB) de 1,1%, sendo a remuneração líquida de 0,79 %. Entre os cinco grandes bancos, o Novo Banco, com a sua Conta Micro Poupança, apresenta uma TANB de 0,4%. 

Com os tradicionais depósitos a renderem cada vez menos, os bancos têm vindo a aumentar a aposta em produtos financeiros complexos com capital garantido. Através de depósitos indexados, pretendem atrair os clientes para aplicações com taxas de juro potenciais atractivas, mas que também podem não render nada, uma vez que dependem do desempenho de um cabaz de activos. Por exemplo, entre os produtos lançados no último mês com um mínimo de investimento de mil euros, o "EuroBic Multisetor novembro 2017" apresenta uma TANB de 2,833%, se as cinco acções do cabaz valorizarem até Novembro de 2019. Caso contrário, este produto tem uma TANB mínima de 0,049%. 
fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/
publicado por adm às 10:46 | comentar | favorito