Taxa dos depósitos recua para mínimo de mais de dois anos

Rendibilidade das aplicações comercializadas pela banca continua a descer. Em Novembro, a taxa média nos depósitos até um ano recuou para 2,44%, fixando um mínimo desde Outubro de 2010.

Após dois meses inalterada, a taxa oferecida pelos bancos nos depósitos para as famílias voltou a ceder, de acordo com os dados do Banco de Portugal. Caiu de 2,6% em Outubro para apenas 2,44% no mês de Novembro.

 

O juro médio encolheu mais de dois pontos percentuais face ao último máximo de 4,57%, fixado em Outubro de 2011, altura em que se deu início à tendência de queda das taxas praticadas pelos bancos nos depósitos a prazo.

 

Foi em Novembro do ano passado que entrou em vigor a “limitação” de juros definida pelo Banco de Portugal, no sentido de travar a “guerra nos depósitos”. Esta é uma das explicações para a tendência de queda das taxas nestas aplicações.

 

A contribuir para a descida da rendibilidade destas aplicações está também o facto de, desde então, as taxas de mercado (as Euribor) terem afundado para mínimos históricos, seguindo os cortes de juros realizados pelo BCE.

 

Além disso, a descida acentuada dos juros oferecidos pelos bancos nos depósitos reflecte também a menor necessidade de recursos do sector. Algumas instituições cumprem já com a exigência de um rácio de 120% entre depósitos e crédito.

 

A queda da taxa praticada pelos bancos nacionais nos depósitos acompanha a tendência registada na Zona Euro. O juro médio oferecido nestas aplicações recuou de 2,74% para 2,73% em Novembro, segundo o BCE. Está acima dos juros oferecidos em Portugal.

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/m

publicado por adm às 20:41 | comentar | favorito