Depósitos menos atractivos para pequenas aplicações

Existem juros atractivos mas exigem montantes elevados.

Os melhores depósitos a prazo continuam a oferecer taxas de juro mais atractivas do que as dos Certificados de Aforro. No entanto, grande parte destes depósitos estão interditos aos pequenos aforradores já que, regra geral, exigem valores mínimos de subscrição superiores a 2.000 euros, chegando em alguns casos aos 10.000 euros, e até 50.000.

Existem pelo menos 15 depósitos a prazo actualmente no mercado com taxas de juros superiores aos 3,17% que os Certificados de Aforro irão pagar em Novembro, com a taxa máxima a chegar aos 5,45%. Apesar da elevada remuneração, este depósito a 12 meses acarreta a perda total de juros em caso de desmobilização antecipada, como é o caso da larga maioria dos depósitos bem remunerados. Já no caso dos Certificados de Aforro é permitida a subscrição com um mínimo de 100 euros. E uma vez que pagam juros trimestralmente, em caso de mobilização antecipada, a perda máxima corresponderá a três meses de juros.

Apesar de existirem no mercado depósitos com taxas mais atractivas, a taxa de juro média dos depósitos até um ano já está abaixo dos 3%, situando-se em Agosto nos 2,77%. O que significa que o aforrador deverá fazer uma análise atenta das ofertas disponíveis do mercado.

Em termos de segurança do investimento, ambos os produtos apresentam um grau de risco reduzido. Enquanto os depósitos a prazo são assegurados pelo fundo de garantia de depósitos que cobre depósitos até 100.000 euros por depositante e por entidade bancária, o investimento em Certificados de Aforro é garantido pelo Estado.

Trabalho publicado na edição de 31 de Outubro de 2012 do Diário Económico

publicado por adm às 22:35 | comentar | favorito