Conheça os melhores produtos de poupança para 2013

Oito bancos escolheram 17 aplicações para os portugueses aplicarem as suas poupanças.

O próximo ano será provavelmente um dos períodos mais exigentes de sempre para os portugueses e para as suas poupanças. Já há muitas famílias sem margem ao fim do mês que lhes permita compor um "pé-de-meia", enquanto outras necessitam de fazer um grande "aperto" ao orçamento para conseguir colocar algum dinheiro de parte para fazer face a eventuais imprevistos.

Por essa razão, o Diário Económico pediu aos dez maiores bancos a nível nacional que indicassem os seus produtos de poupança de eleição para ajudar os portugueses a "fermentar" as suas poupanças durante o próximo ano. Entre os bancos contactados, apenas a CGD e o Barclays não apresentaram recomendações de produtos. Obtivemos respostas do Millennium bcp, BES, Santander Totta, BPI, Montepio Geral, Crédito Agrícola, Banif e Banco Popular.

Aquilo que foi pedido foi a sugestão de produtos de poupança vocacionados para clientes conservadores e com perfil de risco moderado, tendo em conta a oferta actualmente disponível em cada uma das instituições ou de produtos que ponderem introduzir em 2013. Em termos das recomendações, os depósitos a prazo sobressaíram como uma das principais apostas, seguindo-se algumas contas poupança. Entre as instituições consultadas apenas o Montepio não incluiu nas suas recomendações depósitos a prazo, preferindo aconselhar produtos de poupança específicos para associados e que não são abrangidos pelo fundo de garantia dos depósitos.

Em termos de remuneração, 4% brutos, foi a taxa de juro mais elevada que nos foi recomendada e que fica consideravelmente abaixo às que eram alcançáveis há um ano, altura em que a "guerra pelos depósitos" levou os bancos a oferecerem juros que em alguns casos chegaram aos 7%. Apesar de hoje a realidade ser bastante diferente, a aposta em depósitos a prazo ainda parece ser uma alternativa vantajosa.

Susana Albuquerque, secretária-geral e coordenadora do programa de educação financeira da Associação de Sociedades Financeiras para Aquisições a Crédito (ASFAC), explica: "Ainda vale a pena [investir em depósitos a prazo], pois a base da nossa poupança deve ser constituída por produtos sem risco de perda de capital", acrescentando que "ainda é possível obter taxas de remuneração superiores à inflação". No próximo ano, a confirmarem-se as previsões para inflação por parte do Governo e da ‘troika' - de 0,9% - o retorno dos depósitos a prazo não será tão penalizado, mesmo tendo em conta que o Governo prevê agravar a tributação sobre este tipo de aplicações já no próximo ano, com a taxa liberatória a passar dos actuais 25% para 28%.

Outra das tendências que se constatou foi a recomendação de depósitos a prazo, cujo pagamento dos juros é efectuado logo na altura da subscrição: caso do "Depósito Já" do Millennium bcp e o "Depósito Rendimento Imediato" do Banif. O principal inconveniente é o facto de qualquer destes produtos não possibilitar a mobilização antecipada dos montantes aplicados. As condições necessárias para poder mobilizar antecipadamente são, aliás, um dos factores que Susana Albuquerque considera ser mais relevante de avaliar antes da subscrição de um depósito a prazo. "Por vezes é possível mobilizar antecipadamente, mas isso implica uma perda total de juros. Se a pessoa prevê que possa ter de levantar o dinheiro antes do prazo, apesar das remunerações mais atractivas, esse produto pode deixar de ser interessante, sendo melhor um produto que remunere abaixo mas com possibilidade de mobilização antecipada", recomenda a especialista.

Outra das tendências recentes, e que está incluída no conjunto de produtos recomendados pelo BES (conta "Micro Poupança"), é o incentivo aos arredondamentos e à micro poupança. "Considero que são bons incentivos, sobretudo para aquelas pessoas que têm alguma resistência a tratar da poupança como uma despesa [...] Mais importante do que quanto se poupa é a regularidade com que se poupa", frisa a responsável da ASFAC.


Produtos de eleição dos bancos para 2013

Millennium BCP
O banco indica quatro produtos para vários tipos de clientes. O "Depósito Soma +" (1 ano) tem TANB base de 0,5% mas que pode atingir 4%, consoante o envolvimento do cliente com o banco. O banco sugere ainda o "Depósito Estrela" (seis meses), com TANB média entre 1% e 2,588%, variando a taxa por tranches (mínimo de 2.500 euros). Já o "Depósito Já" é não mobilizável antecipadamente, oferecendo TANB entre 1,5% (seis meses) e 2% (um ano). A "Poupança Prémio" com mínimo de dez de euros e reforços a partir do mesmo valor tem uma TANB de 1,25% ou 2,5%.

Santander Totta
O Santander Totta destaca duas aplicações entre a sua oferta actual. Os "Depósitos Planos Programados" destinam-se à poupança periódica programada, com montantes mensais entre 25 euros e 2.000 euros e cuja remuneração oscila entre 3,5% e 4%, em termos brutos, consoante o valor da poupança mensal. O Santander também elege a conta poupança "Aforro + Prémio", disponível a partir de 100 euros e remunerada com uma TANB de 2,25% durante três anos, a que acresce um prémio de 1,75% sobre o saldo verificado nessa altura.

Montepio Geral
O Montepio recomenda duas aplicações exclusivas a associados. Uma delas é a modalidade mutualista de poupança "Montepio Capital Certo", com prazo de cinco anos e um dia, e cuja subscrição é efectuada através da emissão de séries de prazo definido. O mínimo de subscrição são 150 euros, aplicando-se uma taxa de juro crescente de 4,6%, em termos médios (caso da série do mês de Outubro). A instituição recomenda ainda a "Montepio Poupança Complementar".

Banif
O Banif tem em campanha, até 9 de Novembro, o "Depósito Rendimento Imediato" permitindo nesse período a sua constituição por um prazo de 183 dias (seis meses). Este produto pode ser subscrito a partir dos 1.000 euros, sendo o pagamento de juros efectuado na data da constituição do depósito, por crédito na conta de depósitos à ordem associada. Em termos de remuneração, é oferecida uma TANB de 3,1%. O principal inconveniente é que não pode ser mobilizado antes da data de vencimento.

Banco Espírito Santo
O BES elegeu soluções de poupança para 2013 vocacionadas para fomentar as pequenas poupanças. A conta "Poupança Programada" permite reforços a partir de dez euros mensais e é remunerada com TANB de 3% (um ano). Já a "Micro Poupança" é uma solução que permite aos clientes arredondarem (por múltiplos de um, dois, cinco ou dez euros) o valor dos pagamentos realizados na conta à ordem e reencaminhar esse montante para uma conta poupança à escolha.

BPI
O BPI recomenda duas soluções alternativas. Para as pequenas poupanças, o banco destaca as Contas Poupança BPI (seis ou 12 meses) que permitem, a partir de 25 euros, a programação de entregas mensais a partir de um euro. A sua remuneração é equivalente a uma parcela da Euribor. Já os depósitos a prazo "BPI Valor" estão disponíveis a partir de cinco mil euros para prazos de três, seis ou 12 meses, sendo que a respectiva remuneração depende "do envolvimento comercial com o BPI".

Crédito Agrícola
O CA elege dois depósitos com prazos distintos. O "Depósito Super Crescente Mais", a três anos com prémios de permanência e pagamento de juros semestrais, que oferece uma TANB média de 1,5% para montantes acima de 750 euros. É permitida a mobilização antecipada parcial ou total mediante condições como o não pagamento de juros sobre o capital mobilizado. Já o "DP Net" é um depósito a um ano, para montantes acima de 250 euros e remunerado a uma TANB de 2,75%. Este depósito apenas pode ser subscrito pela Internet.

Banco Popular
O Popular recomenda o "DP Ouro a 18 meses" para os aforradores conservadores. Trata-se de um depósito por um prazo de 18 meses, remunerado no vencimento com uma TANB de 3,6% e válido para montantes acima de 300 euros. É mobilizável antecipadamente, com penalização de juros, sendo que o montante da mobilizações parciais não pode ultrapassar o mínimo de constituição. Para clientes de perfil moderado, é recomendo o investimento em obrigações a 18 meses emitidas pelo próprio Banco Popular Portugal.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 22:34 | comentar | favorito