Banca poupa 122 milhões nos depósitos com descida dos juros

Queda das taxas de juro fez com que, em três meses, a remuneração dos depósitos a prazo tenha caído mais de 120 milhões.

Após a época de "vacas gordas" motivada pela "guerra pelos depósitos" dos bancos, os tempos que se vivem são mais de "vacas magras" para os aforradores portugueses. Há vários meses que as instituições financeiras vêm a cortar os juros oferecidos nos depósitos a prazo. Uma diminuição que para os bancos tem resultado numa poupança considerável. Face à remuneração paga pelos bancos em Março e comparando-a com os dados de Junho, essa "poupança" cifrou-se em mais de 120 milhões de euros.

Segundo dados do Banco de Portugal, em Março de 2012, existiam perto de 68 mil milhões de euros em depósitos até dois anos e 34,4 mil milhões de euros em prazos superiores. Essa altura coincide com o pico de taxas aplicadas ao ‘stock' de depósitos a prazo. A cada um dos segmentos, em Março, correspondia uma taxa de juro média de 3,59% e 3,07%, respectivamente. Contas feitas, o ‘stock' de 102,4 mil milhões de euros em depósitos a prazo existente nesse mês acarretava para os bancos encargos de 3,50 mil milhões de euros em juros.

No final de Junho, os juros associados aos 102,5 mil milhões de euros de depósitos a prazo existentes- 65,3 mil milhões em depósitos até dois anos e 37,2 mil milhões de euros em aplicações de prazos superiores- totalizavam 3,38 mil milhões de euros. Ou seja, menos 122 milhões de euros face ao que se verificava em Março. Um corte que resultou sobretudo da diminuição da taxa de juro média das aplicações para prazos inferiores a dois anos que passou a ser de 3,42%, enquanto que nos prazos superiores a taxa de juro se situou nos 3,07%. 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 11:14 | comentar | favorito