Remuneração dos depósitos cai para o nível mais baixo desde Abril de 2011

Em Abril, as taxas recuaram para os 3,42%.

O reforço, em Abril, das regras do Banco de Portugal na limitação dos juros oferecidos pelas instituições financeiras nos depósitos a prazo já está a surtir efeitos. Os dados ontem divulgados pelo regulador mostram que, nesse mês, os bancos portugueses desceram a remuneração média destas tradicionais aplicações para os 3,42%. Trata-se do valor mais baixo desde Abril de 2011.

Os valores mostram que a guerra pelos depósitos está a dar sinais de abrandamento. Recorde-se que, desde o eclodir da crise da dívida soberana, os bancos têm-se batido pelas poupanças dos seus clientes - já que estas, a par das cedências de liquidez do BCE, são das poucas fontes de financiamento da banca portuguesa. Nesta guerra, o trunfo escolhido pelas instituições foi acenar aos clientes com taxas atractivas, que chegaram a atingir os 6%.Temendo que a subida desmesurada dos juros dos depósitos deixasse os bancos numa situação desequilibrada, o Banco de Portugal interveio em Novembro passado, estabelecendo tectos das remunerações nestas aplicações. Em Abril, o regulador liderado por Carlos Costa voltou a reforçar as regras sobre juros de depósitos, limitando ainda mais os juros das aplicações de curto prazo. Como consequência, logo nesse mês as taxas médias praticadas pela banca caíram.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 08:27 | comentar | favorito