Grandes bancos abandonam guerra pelos depósitos

Taxa média para as empresas caiu 100 pontos base e juros para as famílias estão em mínimos de um ano.

A taxa de juro média oferecida nos novos depósitos a prazo para as famílias caiu em Abril para o valor mais baixo em 12 meses, 3,42%, de acordo com os dados ontem publicados pelo Banco Central Europeu. Já no mesmo mês, os juros oferecidos nas aplicações a prazo das empresas sofreram um corte superior a 100 pontos base, de 3,01% para 1,98%, em mínimos de Agosto de 2010. Se é verdade que existem "bancos de nicho" que continuam a oferecer taxas próximas dos 6%, os bancos ‘core' do sistema parecem ter oficialmente abandonado a guerra pelos depósitos a prazo.

"Acho que estão criadas as condições para isso, pelo menos nos grandes bancos nacionais, a tendência será para abandonar a guerra pelos depósitos", avança fonte do sector ouvida pelo Diário Económico, e adianta: "Neste momento o principal interesse será gerir para manter os actuais volumes de depósitos".

Este foi o segundo grande corte de juros - embora sentido essencialmente do lado das empresas - nos últimos seis meses. O primeiro foi sentido em Outubro, com a introdução de limites às taxas praticadas - cerca de 300 pontos base acima das taxas de mercado - por parte do Banco de Portugal, de modo a salvaguardar a sustentabilidade do sistema. Precisamente em Abril o regulador voltou a reforçar os limites, neste caso apenas para os depósitos inferiores a um ano, sob pena de penalizações no capital dos bancos.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:27 | comentar | favorito