Banco de Portugal provoca queda de 20% nos juros dos depósitos

Os bancos comerciais cortaram para 3,54% a remuneração média dos depósitos, depois de o BdP ter colocado um travão nos juros.

No mês em que entraram em vigor os novos limites impostos pelo Banco de Portugal à remuneração dos depósitos a prazo, os juros médios destas aplicações afundaram mais de 100 pontos base. Os juros médios dos depósitos a prazo de particulares caíram de 4,53% para 3,64% em Novembro, com a queda a ser mais pronunciada nas aplicações até um ano, onde os juros médios desceram de 4,57% para 3,54%, ou seja, mais de 20%. A mesma tendência foi sentida nos depósitos das empresas, que passaram a remunerar, em termos médios, 3,27%, o que compara com os 4,49% de Outubro. Estas conclusões constam da base de dados do BCE, consultada pelo Diário Económico.

Apesar dos cortes pronunciados nas taxas destes produtos, o montante total de depósitos de particulares continuou a aumentar, em 1.068 milhões de euros, com as famílias portugueses a refugiarem-se nas aplicações a mais de dois anos, onde a queda foi menos pronunciada, de 4,23% para 3,76%.

Além disso, garantem desta forma taxas de juro elevadas por um período mais alargado. O montante total de depósitos até um ano caiu 137 milhões de euros enquanto o montante das aplicações a mais de dois anos subiu 1.185 milhões de euros. Em contrapartida, o total de depósitos de empresas perdeu 228 milhões de euros, com as empresas a necessitarem de fazer face a constrangimentos de tesouraria. No acumulado dos 11 meses do ano, e ao contrário do que aconteceu com as aplicações das famílias, o montante total de depósitos das empresas caiu quase 4,4 mil milhões de euros. Nas famílias aumentou 13,5 mil milhões de euros.

fonte:http://economico.sapo.pt/no

publicado por adm às 08:23 | comentar | favorito