Já há bancos a oferecerem 0% nos depósitos a prazo

0%. Já há bancos a oferecerem nada de remuneração aos clientes nos depósitos de curto prazo. É o mínimo permitido pelo Banco de Portugal. Agora que conseguem financiar-se junto do BCE a taxas muito baixas, os bancos não têm interesse em captar poupanças de curto prazo e "empurram os clientes para outras alternativas", explica Filipe Garcia, economista da IMF.

Banif, BPI e Novo Banco são, para já, os três bancos com depósitos a 0%. Mas, nos preçários de março, várias instituições bancárias voltaram a descer as remunerações que estão dispostas a pagar para que os clientes depositem o dinheiro nos seus cofres. Nos prazos mais curtos, até as melhores taxas são bastante baixas. O melhor que consegue é 0,9% (ActivoBank). A maior parte propõe remunerações próximas de zero. Em média, um depósito de 5000 euros a um ano rende 0,7% líquidos, ou seja, tanto quanto a inflação para este ano. Ou seja, boa parte dos depósitos atuais deverá proporcionar rendimentos reais negativos, especialmente nas grandes instituições, que têm atualmente taxas bastante baixas, alerta a Deco.

Caso queira investir as poupanças em depósitos a prazo, aplique o mínimo para uma emergência e "prefira produtos no prazo de um ano", onde a melhor taxa é de 1,7% líquida, recomenda António Ribeiro, economista da Proteste Invest. Os "depósitos indexados" são outra alternativa, refere Filipe Garcia. São depósitos indexados com uma remuneração associada à evolução de outros instrumentos como, por exemplo, ações. O capital é sempre garantido, mesmo que haja uma queda das cotações. Ambos os produtos estão protegidos até aos 100 mil euros por titular, no âmbito do Fundo de Garantia de Depósitos.

Também com garantia, mas do Estado, são os Certificados do Tesouro, "que ainda oferecem uma taxa líquida de 1,6%, em média, durante os próximos cinco anos", salienta o economista da Proteste Invest. Neste caso, são necessários mil euros, pelo menos, para subscrever este produto. Além disso, não o pode resgatar, sem penalizações, nos primeiros 12 meses. Já os Certificados de Aforro, com um mínimo de subscrição de apenas 100 euros, não são uma boa alternativa. "A remuneração líquida é igual à inflação para 2015: 0,7%", alerta António Ribeiro. E as taxas podem conhecer novas descidas em breve.

E os juros dos depósitos a prazo ainda poderão cair mais? "Ainda pode ter mais espaço para descer", salienta Paula Carvalho, economista-chefe do BPI, uma vez que as Euribor não param de baixar, depois de Mario Draghi, o presidente do BCE, ter decidido injetar 60 mil milhões de euros por mês no sistema financeiro para estimular o consumo e travar a deflação. Um cenário que deverá manter-se "nos próximos 12 meses", prevê Filipe Garcia. Hoje, a taxa média dos depósitos de particulares a um ano é de 1,22%, o valor mais baixo desde maio de 2010. Não surpreende que os depósitos das famílias tenham caído para 100,8 mil milhões de euros em janeiro, um mínimo desde dezembro de 2011.

Santander junta-se à "guerra de spreads"

Com o financiamento mais barato junto do BCE, os bancos estão a proporcionar crédito à habitação mais barato junto dos clientes. Atualmente trava-se uma "guerra de spreads", à qual se juntou o Santanderna sexta-feira.

O banco decidiu cortar para abaixo do patamar de 2% o spread nos empréstimos. A taxa desceu para 1,99% tanto nos novos contratos como nas transferências de outros bancos. Uma percentagem quepode recuar para 1,5%, a mais baixa no mercado nacional, nos clientes premium, designados como "select". São clientes com um "ordenado mensal domiciliado no banco igual ou superior a 2.500 euros, ou clientes com idade igual ou inferior a 45 anos e património superior a 50.000 euros e todos os clientes com mais de 75.000 euros", refere a instituição.

A taxa mais baixa para todos os clientes, no entanto, pertence à CGD, com 1,75%. O banco do Estado foi o primeiro a colocar o spread abaixo dos 2%. Ligeiramente acima, o Crédito Agrícola disponibiliza uma taxa de 1,8% para todos os clientes. Para os jovens, o spread desce para 1,7%, de acordo com os preçários.

(Notícia corrigida às 11h30 de 23/03/02015: os bancos financiam-se junto do BCE a taxas muito baixas [0,05%] e não a taxas negativas, como referido originalmente)

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 19:11 | comentar | favorito